Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Belinha na Alemanha

Divagações sobre os disparates da vida e sobre essa cultura alemã que já não é totalmente um bicho de sete cabeças

Belinha na Alemanha

Divagações sobre os disparates da vida e sobre essa cultura alemã que já não é totalmente um bicho de sete cabeças

29.Jun.17

Germanices: quando a comunicação falha

Há algum tempo que não escrevo sobre esta rubrica, não é que seja por falta de assunto, esse, tenho muito para dar e vender que este povo é rico e de que maneira em histórias. Transbordam cultura e cerveja.

 

Quando ainda era uma novata por aqui, vinha com aquele registo mental "o povo alemão é frio",  estereótipo de consenso geral em Portugal. Ora bem, não se enganem que as pessoas não são assim tão frias. Elas são mais para o "sem filtros", muito mas deveras objectivas.

Assim sendo e passando a explicar, o povo germânico faz as perguntas que tiver a fazer, se estas forem incómodas, problema teu. Amanha-te com o teu embaraço que não tens mais nada a fazer que dar uma resposta. Fazem até aquela cara, fixando nos teus olhos e com o olhar têm o desplante de perguntar "Então?? Não respondes?".

 

Não têm paninhos quentes para conversas delicadas. Para reforçar que eles são um povo directo, sem falinhas mansas ou rodeios. Mas não são um povo frio. Se querem Z, acreditem no que digo, não vão contornar todas as letras do abecedário para lá chegar. Linha recta que isto não é brincadeira e não há outra opção.

 

Mas com tanta direcção e honestidade descartaram o mais interessante da comunicação, as piadas, não as óbvias de chapa três mas as subtis as que são envoltas de ironia e de um certo sarcasmo. Aquelas que deixam um sorriso leve no rosto e a imagem gravada na mente. É mais um rir mental que propriamente rebentar-se num gargalhar histérico sem dó nem fim.

 

E isto é pura e simplesmente triste, pelo menos para mim. Foi difícil de ultrapassar esta barreira. Eu que adoro e abuso deste estilo, via-me num país rodeada de pessoas que não me entendiam. Uma pessoa responde sarcasticamente e leva com um olhar de "nunca pensei que fosse tão burra". E tento uma segunda vez, explicando, mas o resultado é de pura agonia "ela ainda está a falar?".

 

De vez em quando aparece uma alma que me entende, são raras, ahhhh mas é tão bom. Todo um sentimento de plenitude, estupefação mas sobretudo de cumplicidade. Ele entendeu-me, e aí sorrimos ambos, aquele sorriso leve de pura compreensão mútua.

IMG_0240.JPG