Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Belinha na Alemanha

Divagações sobre os disparates da vida e sobre essa cultura alemã que já não é totalmente um bicho de sete cabeças

Belinha na Alemanha

Divagações sobre os disparates da vida e sobre essa cultura alemã que já não é totalmente um bicho de sete cabeças

14.Abr.17

Cinema e Pipocas? Não não não!

Qual é a cena de se comer pipocas no cinema, hein?

Alguém explica, capaz de fazer um desenho, juntar o pontinho a com b e fazer lógica?

 

Sem delongas, é bom. Um prazer de outro mundo, encharcar as minhas mãos em pequeninas coisas melosas, forrar as paredes do meu aparelho digestivo com açúcar que nem a bruxa de Hansel e Gretel com a sua casa pecaminosa.

Açúcar, esse perigo branco que veio a este mundo para extraviar os nossos sentidos, leva a nossa saúde, dá-nos pica para depois deixar-nos na maior das letargias. Ahhh (ler como se tivéssemos a recitar poesia grossa e profunda) que danado! E tudo isto enquanto assisto a um filme? De loucos ! Onde já se viu?!

 

Não sou de demoras, antes do filme começar já o balde está ali garantido nas minhas manoplas. Um mix delas, doces e salgadas para loucura das minhas papilas gustativas que agradecem.

 

Faz barulho? Intromete-se até na experiência de outros verem o filme porque vejam lá, que uma pessoa a comer pipocas é como se tivesse a comer cascalho, a triturar pedras com os dentes, capaz de interferir com o rei dos sons que é a Dolby, que só de si já não é nada alto. Cruzes, que afronta.

 

Li em tempos num blog a dica de amolecer as pipocas na boca. Primeiro ri-me a bandas largas, onde já se ouviu tal coisa e depois experimentei. Juro que o fiz. Mas quase me babei, cuspi-me toda a fazê-lo. Eu sei, estamos no cinema está escuro ninguém vê e tal.. mas nope, já babo o suficiente a dormir para repetir a façanha quando estou em público. Não é bonito, portanto não é solução.

 

Atrevo a partilhar a dica de uma amiga sobre o assunto, que os que não gostam deviam mazé deixar-se de esquisitices peculiaridades e comer pipocas assim não se distraíam com sons alheios.

 

Se com tudo isto, vou procurar outra solução para agradar a troianos? Não, não vou. Vou continuar grega, maravilhosa a esbardar-me com pipocas no cinema pois cinema sem pipoca não é cinema. Não existe um sem o outro, são parasitas de si mesmos, numa relação perfeita de coexistência.

 

Não há ninguém melhor que Adriana Calcanhoto para explicar este sentimento de complementaridade. Almas gêmeas. É verídico.

 

"Avião sem asa, fogueira sem brasa, sou eu assim sem você. Futebol sem bola, Piu-piu sem Frajola, sou eu assim sem você."

 

 

4 comentários

Comentar post